NOTÍCIAS
_______________________________________________________________________________

Vencedores do Concurso Textos de Amor 2016
16.100.019

João Alexandre Pereira Henriques foi o vencedor do Concurso de Textos de Amor Manuel António Pina 2016, organizado pelo Museu Nacional da Imprensa (MNI), com o texto “As Pontes”.

Os prémios foram anunciados no dia 18 de Novembro, no MNI, durante uma cerimónia de homenagem ao jornalista, poeta e escritor Manuel António Pina.

O Júri – constituído por Fernando Pinto do Amaral, diretor do Plano Nacional de Leitura, José Luís Pires Laranjeira, da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, José Miguel Gaspar, editor de Cultura no Jornal de Notícias, e Luiz Humberto Marcos, diretor do MNI – sublinhou a dimensão dramatúrgica muito forte do texto vencedor, apontando mesmo para um argumento cinematográfico, perspetiva que sintoniza o perfil académico do autor.

O segundo lugar foi atribuído a “Uma história de amor ”, de Diana Felizardo, e o terceiro (ex-aequo) a Silvana Marques de Carvalho e a João Armando Santos Gomes, com os texto “Capítulo XI Rogério &Margarida” e “Não disse nada”, respectivamente.

De acordo com o Júri, revelou-se determinante para a importância atribuída a muitos textos a capacidade de os autores conseguirem prosas extensas, articuladas, bem escritas, imaginativas e causadoras de surpresa. Além disso, as personagens, as intrigas e as ações demonstram uma atenção privilegiada aos sentimentos, delicadezas, tensões, rotinas quotidianas, memórias e romantismos apropriados à louvação tanto da paixão, quanto do desespero e do amor perene.

O júri louvou também o acentuado concurso de crianças e adolescentes das escolas, “que querem nitidamente mostrar que a escrita faz parte não só da sua aprendizagem da cidadania, mas igualmente do sentido profundo da interrogação humanista”.

Neste contexto, duas das 10 menções honrosas foram atribuídas a alunos do 3.º Ciclo do Ensino Básico: José Augusto Sousa Pinto (Alpendorada), com o texto “Mais uma vez tudo se perde” e Carolina Castela da Luz (Sintra), com o texto “Doce Vasco”.

As restantes oito menções honrosas recaíram sobre os seguintes textos: “minha senhora de mim”, de Ana Margarida Gomes Borges; “Como queiras”, de Antero Afonso; “Uma viagem pelo Douro”, de António Cesário Guedes da Costa; “Fado”, de António Monteiro de Aguiar Oliveira; “Promessas”, de Maria da Cruz Pegado Porto; “Fuga”, de Maria Fátima Roldão; um texto S/ Título de Ricardo Teixeira Gomes e “Pés terra. Mãos teorema”, de Tânia Sardinha Vieira.

16.100.046

16.100.003

As escolhas do júri resultaram da análise de centenas de textos participantes na 16.ª edição deste concurso que o MNI promove desde 2000.

Os prémios atribuídos consistiram em viagens à Madeira e no Douro, fim-de-semana num hotel e spa em Caldas da Felgueira , além de jantares, vinhos e livros.

O certame tem o apoio de várias entidades, designadamente: Município do Sabugal, Tomaz do Douro, Douro Acima, Four Views Hotels, Grande Hotel das Caldas da Felgueira, Jornal de Notícias, Antena 1, Porto Editora, Instituto Multimédia, Metro do Porto e Plano Nacional de Leitura.

O patrono do concurso, Manuel António Pina, vencedor do Prémio Camões 2012, foi membro do Júri durante as nove primeiras edições.

PortoCartoon em Pombal
Inaugurou ontem, dia 8 de Novembro, no Celeiro do Marquês, a exposição “Vinho do Porto no Humor Mundial”, uma parceria entre o Museu Nacional da Imprensa e o Município de Pombal.

Esta  exposição internacional de cartoons reúne mais de meia centena de trabalhos de artistas de países tão diversos como Israel, Finlândia, Cuba, Turquia, Roménia, Ucrânia e Holanda.

Trata-se de uma mostra que enaltece o impulso dado pelo Marquês de Pombal à produção do Vinho do Porto.

A exposição ficará patente até 5 de Fevereiro de 2017.

VinhoDoPorto_1oPremio_YuriOchakovsky_Israel
Encadernação Manual com Tecido Tingido

Os tecidos criados na oficina de “atados e tingimentos de tecidos” (19 de novembro) transformam-se nas capas dos livros na oficina de “encadernação em capa dura” (26 de novembro).

Nesta sessão, os participantes descobrem a preparação do corpo do livro – encolagem e arredondamento do lombo, endorso e encaixe, colocação do cabeçote e reforço do lombo – e a preparação da cobertura – montagem da capa (em separado), reforço do falso lombo da capa, cobertura da capa e colagem do miolo do livro no interior da capa.

MMC 015

fotografia 4 (5)

MMC 020

 

Oficinas de Encadernação Manual: Atados e Tingimentos

No dia 19 de Novembro, as oficinas de encadernação manual são dedicadas à produção dos tecidos para as capas e dos papéis para guardas dos nossos livros.

De manhã – 10h às 13h – a Alcina Manuela Carneiro vai explorar o mundo dos atados e tingimentos de tecidos.

É daquelas sessões a não perder!

Informações e inscrições:
servicoeducativo@museudaimprensa.pt

DSC_9004

DSC_9017 DSC_9016
Oficinas de Encadernação Manual: Papercuts

As Oficinas de Encadernação Manual continuam no Museu Nacional da Imprensa!

Na manhã do dia 12 de Novembro, a Ana Fernandes da Papercut Story apresenta-nos o seu maravilhoso mundo dos papercuts.

Os trabalhos realizados nesta sessão podem ser utilizados na oficina da tarde como capas dos livros que aí serão produzidos.

Informações e inscrições: servicoeducativo@museudaimprensa.pt

14563575_1184756548265403_6453232029873556901_n

13507089_1072567792817613_6735268798787483690_n

13615459_1082221758518883_5861225391254038399_n

Oficinas de Encadernação Manual: Capa Mole
As Oficinas de Encadernação Manual promovidas pelo Museu Nacional da Imprensa começam no dia 5 de Novembro.

A segunda sessão, das 14h30 às 17h30, é dinamizada pelo encadernador Álvaro Pedreira e é dedicada à “Encadernação Manual em Capa Mole com Costura à Portuguesa dos cadernos “.

Informações e inscrições: servicoeducativo@museudaimprensa.pt

encad
Oficinas de Encadernação Manual: Serigrafia
As Oficinas de Encadernação Manual promovidas pelo Museu Nacional da Imprensa começam no dia 5 de Novembro.

A primeira sessão, das 10h às 13h, é dinamizada por Walter Almeida, da Chapa Azul, e é dedicada à “Serigrafia Artesanal com recurso a Stêncil”.

Uma das propostas para os resultados desta oficina é a sua aplicação como capa dos livros que serão produzidos na sessão da tarde (relembramos que a tarde será dedicada à encadernação manual em capa mole, com costura à portuguesa dos cadernos).

Informações e inscrições: servicoeducativo@museudaimprensa.pt

IMG_4152

IMG_4153

IMG_4154

 

Oficinas de Encadernação Manual
Oficinas de Encadernação Manual,
para Adultos,
em Novembro!

O Museu Nacional da Imprensa volta a oferecer aos visitantes uma das mais interessantes oficinas relacionadas com as artes do livro – Oficina de Encadernação Manual de Livros.

Ao longo destas sessões, os participantes aventuram-se nas técnicas milenares de encadernação manual de livros, sendo desafiados a realizar todo o processo de encadernação, desde a junção dos cadernos à aplicação da capa, passando pela costura. Tudo manualmente.

Neste ciclo de oficinas trazemos mais novidades, com novos dinamizadores a explorar outras formas e técnicas artísticas ligadas à encadernação: serigrafia, papercuts, marmorização, atados e tingimentos.

IMG_1218

12910956_1264976573530478_943857915_n

DSC_8878

IMG_4134

2

Mais informações em: servicoeducativo@museudaimprensa.pt

 

 

 

Oficinas de Impressão: Gravura em Metal
Em Outubro, no Museu Nacional da Imprensa, continuamos a explorar as Técnicas de Impressão! A não perder!

Estas oficinas, organizadas pelo Museu e dinamizadas pela Chapa Azul, propõem explorar técnicas simples e versáteis.

Destacamos as oficinas de gravura em metal, nos dias 22 e 29 de Outubro (das 14h às 18h).

Inscrições abertas!

CIMG1429

CIMG1449 CIMG1409
‘Letras’ do Porto mostra ‘Utopia com Humor’
Dezenas de desenhos do PortoCartoon, cujo tema remete para a Utopia de Thomas More, estão em exposição na Biblioteca Central da Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

As obras expostas são uma seleção dos melhores trabalhos do PortoCartoon-Word Festival 2016, com particular referência à Utopia do Entendimento Mundial. Neste contexto integra-se o desenho de Plantu, desenhador-estrela de Le Monde (1ª pág.) que venceu este ano o ‘Prémio da Cultura Europeia’, conjuntamente com Eduardo Lourenço.

O desenho de Plantu tem uma grande particularidade: as inscrições estão em português – Viva a Utopia! – numa clara alusão ao protagonista da Utopia, o navegador português Rafael Hitlodeu.

A mostra insere-se numa parceria do Museu da Imprensa com o CETAPS – Centre for English, Translation and Anglo-Portuguese Studies (FLUP) e estará patente até 31 de Dezembro.

 

 

XVIIIPC_3oPremio_exAequo_Franca_Plantu_p

Votação aberta ao público
Durante a exposição, os visitantes poderão votar para o ‘prémio do público’ do PortoCartoon 2016, numa urna colocada na Biblioteca. A votação recairá sobre os desenhos destacados pelo Júri (premiados e finalistas).
Outras duas urnas estão colocadas junto das exposições do Aeroporto (Porto) e do Museu Nacional da Imprensa.

Esta votação está aberta a nível mundial, sendo que os cibernautas de qualquer parte do mundo poderão votar através de uma urna virtual patente no Museu Virtual do Cartoon (www.cartoonvirtualmuseum.org).

Protocolo em Brasília

O Museu Nacional da Imprensa e o Museu da Imprensa Nacional, de Brasília, estão unidos desde 3 de Dezembro, através de um protocolo assinado na capital brasileira.
Trata-se de um acordo de cooperação oficializado pelo director-geral da Imprensa Nacional, Fernando Tolentino de Souza Vieira e pelo presidente da Direcção da AMI e director do Museu Nacional da Imprensa, Luís Humberto Marcos.
O protocolo visa “a cooperação no desenvolvimento de iniciativas conjuntas para o reforço dos laços culturais entre o Brasil e Portugal, quer através da valorização do papel da imprensa e da sua história em geral, quer através do lastro da imprensa da Lusofonia”.
De acordo com a Cláusula nº 2, ambas as entidades “promoverão exposições temporárias, estudos, conferências e debates sobre temas relacionados com a Imprensa e as Artes Gráficas, de acordo com um plano periodicamente estabelecido e aceite por ambas as partes.Antes desta assinatura já tinha havido uma cooperação que deu lugar à reprodução de um prelo do Séc. XVIII que integra a exposição permanente do MNI e cuja réplica foi apresentada nas comemorações do bicentenário da imprensa brasileira, em Brasília.